quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

You Keep Me Alive (Fim)



7º Devaneio

O tempo passara.
Dia após dia, mês apés mês, ano após ano… O tempo tinha realmente passado a um ritmo estranho, contudo passou e levou-me para o esquecimento de um quarto para morrer. A mim e às minhas memórias. E quem é que se lembrava daquilo que fora há 60 anos atrás? Até a mim me custava recordar, por entre tantas rugas, os acontecimentos marcantes da minha juventude. As loucuras e as aventuras, as tentações e as emoções…

quinta-feira, 26 de julho de 2012

You Keep Me Alive (Continuação)


6º Devaneio

A noite caíra há menos de uma hora, ainda assim não deixava de ser tarde para ele ali se encontrar. Harry observava, pesaroso e atentamente, a lápide onde se distinguia em letras douradas “ Lucy Day 1990-2012”.
Na altura que lhe perguntaram sobre o que deveria ser acrescentado, que frase ele queria colocar sob o nome da sua amada, Harry fora incapaz de proferir uma única palavra. Nada poderia expressar os momentos vividos, os sentimentos sentidos e todo o sofrimento que o corroía, melhor que o nome de Lucy Day.

sábado, 14 de julho de 2012

Procuro-me



 Procuro-me

Aqui estou eu, novamente,
Perdida nesse passado que se repete
Desencontrada de mim mesma
Simplesmente para te voltar a achar.
Aqui, onde me perdi sem sentido
Nesse olhar encantado, hipnotizante,
Procuro pelo que fui ou sou,
Procuro-me para me perder ainda mais.
E sinto, no interior mais profundo do meu peito,
Que estou dividida entre dois sentimentos
Sem os reconhecer, sem os compreender.
Talvez nunca os tenha tido, talvez os tenha perdido
Sem que a sua falta tenha percebido.
Se calhar, porque nunca os utilizei,
Mas agora, perdida de mim mesma,
Procuro-os quando te olho, procuro-me,
E não os acho, não me acho.
Tal como se fosse um puzzle,
Como se precisasse da tua presença constante
Para eu ser quem fui, para eu ser quem sou.
Por que me dividiste e agora tens meia parte
De quem sou e o total do meu coração.
Porém, continuas a fugir, mesmo neste presente
Onde procuro por um futuro, onde nos procuro,
E me perco ainda mais e quebro como um cristal
Em mil e um pedaços complexos,
Num puzzle sem solução.
E agora, como me acho, onde me encontro?

quarta-feira, 13 de junho de 2012

A minha vida no teu olhar


A minha vida no teu olhar

O mundo é um jogo complexo de vidas, onde o fado, nas suas aventuras e diligências, se diverte a brincar com as insignificantes pessoas que em seu poder tem. Sim, sou tão insignificante como um grão de areia no extenso areal da praia ou uma gota de água no profundo oceano. Uma sonhadora que um dia se atreveu a desejar voar… No fundo, mais uma boneca nas mãos do destino.
Destino…
O meu cortou-me as asas antes de eu as tentar abrir e deixou-me cair nas trevas sem rumo, sem direção, sem fim… Quando só desejava sorrir na simplicidade da vida, condenaram-me à escuridão. A cada segundo, no meu peito, é como se uma navalha o dilacerasse e o seu sangue fluísse entre os dedos e se misturasse com as lágrimas caídas dos meus olhos. Ninguém entendia essa dor, ninguém me sabia estender uma mão para me salvar…
De mim nada havia, se não uma mera sombra do que eu pensava ser. O meu coração continuava a bombear o sangue, porque o sofrimento de ver alguém sofrer por me perder seria maior que a minha morte.
Não se tratava de viver, tratava-se apenas de existir!
Talvez me considerem uma fraca por pensar em desistir, porém ninguém me ajudou quando me condenaram à cegueira e somente eu me tive de arrastar pelos envidraçados caminhos, até um ponto onde pudesse dar paz à minha alma.
Os meus lábios esboçam um sorriso nostálgico ao lembrar aquele vulgar dia de Maio, onde me sentindo tão vulgarmente insignificante no fundo de um poço sem luz, a tua voz gritou na noite por mim. O músculo cardíaco levou um choque elétrico e, nas veias, a corrente sanguínea tomava velocidades nunca antes vistas. Sentia-me enfeitiçada pela tua música e viciada no teu som… Tal qual uma droga, os meus ouvidos necessitavam de escutar aquela deliciosa melodia durante o tempo suficiente para a minha mente se abstrair do buraco negro que me havia sugado…
Tu voaste como um anjo negro para junto de mim, quando eu pensava que estava condenada ao sofrimento, e disseste-me para não saltar para o abismo.
A minha mente acordou e os sonhos fluíram outra vez. As minhas asas voltaram a reconstruir-se, das cinzas renasceu um leão com força suficiente para lutar pelos seus sonhos e voar com as suas asas de anjo pelo mundo infinito, numa liberdade que só tu me conseguiste mostrar!
O meu desejo era estar lá quando fosses rei do palco e senhor das vibrações que cada nota provocava na multidão. O meu desejo era contemplar esse olhar que me resgatou das entranhas profundas do meu inferno. As tuas mensagens ensinaram-me, como se fosse uma criança, a acreditar numa vida feliz e que desistir é apenas um passo para desperdiçar esse dom que a natureza nos deu de viver!
Eu voei com as asas que me deste e lutei com a força que me injetaste, até realizar esse sonho e consegui! O mundo pode-me tirar tudo na vida, assim como me está a tirar a visão. No entanto, podem passar mil anos, ninguém vai arrancar de mim a enchente de alegria que, naqueles segundos insignificantes para ti, explodiu de entusiasmos o coração feito em pedaços. O mesmo que tu colaste. Eu tinha tanto para dizer e na realidade, nada para ouvires… De todas as formas, não ligarias a um relato de uma vida que é a minha, mas mesmo assim, te agradeço por tudo que fizeste inconscientemente na minha vida!
Um obrigado do fundo do coração que marquei na pele, um obrigado que surtem lágrimas por nunca o ires ouvir da minha boca, um obrigado por ainda hoje estares aqui quando mais preciso de apoio e ninguém entende… Sim, porque quando as asas falham lá estás tu para gritares na noite por mim e dares carinho ao leão que também sente medo!
A ti, um obrigado por me teres mostrado que o coração também vê e que com ele consegui ver a tua alma no olhar. O olhar cor de mel que a escuridão nunca poderá apagar da lembrança.
O olhar que se tornou a essência da minha vida.


quarta-feira, 23 de maio de 2012

You Keep Me Alive (Continuação)


5º Devaneio
              

O som das gargalhadas divertidas e das garrafas de champanhe a serem abertas preenchia o ar, denotando nele uma atmosfera de felicidade e festejo. Todos os presentes sorriam, andavam de um lado para o outro a felicitar os recém-casados e desejando-lhes uma vida cheia de amor.
No entanto, ali se deparava ele, a exceção à regra, a nuvem que toldava o céu estrelado, a mancha negra no meio de uma tela branca… Harry segurava o seu copo de champanhe, mexendo-o e observando o líquido no seu interior a mover-se sem um sentido próprio. Há mais de uma hora que se mantinha naquele banco de jardim, longe de todos, mais perto da sua solidão e sofrimento.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Sorriso Toldado


Aqui estou eu, a rever fotos do passado, lembranças felizes daquilo que a minha vida tem sido… São recordações que espero manter na memória, gravadas numa tinta permanente que a mente não deixa envelhecer.
Mas o medo envolve-me num abraço destrutivo.
Ele vem com o seu sorriso malicioso, feliz por me ver chorar e, com palavras sem esperança, faz-me acreditar que este é o princípio de um fim. A contagem decrescente para as trevas chegarem e levarem de mim toda a luz e o mais ínfimo raio de Sol, que por vezes se atreve a atravessar a preciana e despertar-me dos meus sonhos encantados.

domingo, 15 de abril de 2012

You Keep Me Alive (Continuação)




4º Devaneio


Os milhares de pontos luminosos espalhados pela cidade de Paris, mostravam porque aquela era chamada de “Cidade das Luzes”. O céu parecia refletir-se na terra e, as estralas estavam tão próximas que se podiam alcançar… A estranheza de agora pertencer ao mesmo plano delas, ao céu, e rever aquele lugar repleto de memórias passadas, trazia-me novamente a sensação de que tinha de partir e deixar o coração de Harry aberto para um novo amor.
Como em todas aquelas noites, o meu corpo físico materializou-se junto do dele, que se encontrava a observar o extenso horizonte se fim, talvez procurando por uma solução para tornar menor a nossa distância agoniante.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Carta para ti, Mulher!


8 de Março de 2012

Olá Mulher,

Hoje descobri que era o teu dia e fiquei surpreendida, por no meio de 365/6 dias no ano, destinarem um dia inteiro dedicado a ti! Imagina, são 24 horas, 1440 minutos, 86400 segundos … Isso parece um grande feito para ti, Mulher, este tempo dedicado a ti e à tua condição de mulher.
No entanto, mesmo que hoje devesse dizer "Feliz Dia da Mulher", não o vou fazer. Não vou celebrar o dia do teu sexo/género, não porque não tenho orgulho naquilo que tu és, porém porque tenho vergonha de quem o instaurou.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

You Keep Me Alive (Continuação)


3º Devaneio

As águas do rio pareciam calmas vistas de cima daquela ponte, escondendo nas suas entranhas a ferocidade que arranca a vida a tantas pessoas. No entanto, não fora um local de mágoa e lágrimas tristes aquela ponte que se estendia de uma margem á outra de Londres.
O silêncio imperava, apenas havendo um ou outro carro ocasional que atravessava o tabuleiro, sem prestar muita atenção ao moreno que se achava a observar o rio que se alongava por quilómetros de distância. Serena, segui para junto de Harry, sentindo a túnica branca que vestia ondular ao sabor do ligeiro vento e a leveza que me rodeava.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

You Keep Me Alive (Continuação)




2º Devaneio

A noite corria calma e vagarosa, como usualmente fazia desde o dia da minha morte, aguardei que o meu corpo ganhasse novamente forma e se tornasse visível para aquele homem que amava acima de tudo.
Muito acima da minha própria vida.
Harry aguardava solitário e melancólico por mim, sentado num banco daquele enorme jardim que se estendia para além dos limites da visão. Em passos serenos e sem a necessidade de apresar toda aquela hora, segui para junto dele, sentando-me sossegadamente a seu lado.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

You Keep Me Alive



1º Devaneio-o.


Os seus olhos azuis cristalinos, como o céu num dia de verão, observavam-me atentamente com algum desejo escondido por entre aqueles olhares enternecidos. Nenhum de nós conseguia realmente proferir uma palavra, com medo de estragar a mágica sensação de tudo estar num equilíbrio perfeito e o mundo lá fora não passar de uma noite escura onde todos dormem.
As minhas pálpebras fecharam-se por segundos, não conseguia arranjar coragem para me desencostar da parede e sair daquele quarto sufocadoramente pequeno para estar afastada dele. O pior era que eu realmente ansiava por sentir novamente o seu toque, a sua pele suave e quente de encontro à minha e o gosto doce dos seus lábios a devorarem apaixonadamente os meus…
Inspirei fundo e, de imediato, senti o aroma do seu típico perfume masculino a penetrar-me o nariz e a relaxar-me de uma forma única.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Sussurro

Sussurro

Um sussurro paira solto, dissimulado
Por entre uma maré de gente vazia
Gente ocupada, surda e fraca
Para o recado que ele quer deixar

Ninguém o escuta ou não o querem
Na realidade, ninguém o tenciona
Ninguém quer ouvir o sussurro
Porque custa reflectir, pensar

Trás o sussurro essa mensagem
Mensagem que transporta um vendaval
A força que assusta a muitos
Àqueles que se fingem de surdos

No fundo todos o escutam
Atentamente até, para depois o ignorar
Porque é mais fácil ignorar
Preferível a enfrentar a verdade

A verdade que tortura corrói e mói
Certeza de tudo não passar de ilusão
Mentir e dizer que tudo está bem
Fechar-se os olhos e ver-se luz

E sussurra sussurrante o sussurro
Para me acordar de um sonho falso
Sabendo que não passa isto de uma mentira
Mais uma ilusão na minha triste vida

Também eu ignoro propositadamente o sussurro
Porque preferio dormir neste sonho mentiroso
Em vez de acordar para as trevas tenebrosas.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Pensamentos... #28


"Sim, tenho problemas na vida como qualquer um, mas sou feliz na mesma. Na vida aprendi a dar valor às pequenas coisas e sorrir mesmo quando tudo parece perdido.
Aprende a viver com o que tens e serás feliz com aquilo que vais conquistando."

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Pensamentos... #27


"Tu continuas a ser o sonho que me alimenta."

Pensamentos... #26


"Os sonhos são como uma força mágica que nos mantém vivos, mais do que uma simples existência, eles fazem-nos acreditar que tudo pode mudar, que a felicidade poder aparecer.
Mas e quando caem por terra?
Só nos resta a desilusão e a tristeza!
Felizmente, existe sempre mais um sonho para ocupar esse lugar e manter-me simplesmente ausente da dor..."

Pensamentos... #25


"Um dia a verdade será revelada, porque há sempre uma pista mal escondida."

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Água cristalina e clandestina

Água cristalina e clandestina

Água cristalina e clandestina
Que corres por entre pedras erodidas
Iludidas com a tua beleza pura
Sabendo que apenas nelas tocaras
Por muito que ames a Lua
Simplesmente o seu brilho te alcança
E desejas água corrente
Ser tocada pelo Sol
Ansiando que o seu calor te faça voar
Voar libertina pelo ar
Aguardando que a noite chegue
Para com tuas nuvens cinzentas
Poderes ter como somente tua
A beleza divinal da tua amada Lua.