quarta-feira, 8 de junho de 2011

Caçador de Borboletas

Caçador de Borboletas

Com um sorriso sedutor e encantador
Me iludiste e hipnotizaste, caçador
Guiaste-me nesse caminho de pecado
Para me aprisionar nesse objecto

Um belo cristal em forma de coração
Onde me colocaste como um troféu
Sem dar oportunidade de te amar ou não
Obrigaste o meu amor a ser só teu

Uma borboleta sem liberdade
Cristalizada para te admirar
Sem dó, nem piedade
Aprisionada no sentimento de amar

Durante alguns meses foi assim
Uma tortura sem fim
Por estar presa sem te poder tocar
Simples e unicamente a chorar

Será que viste essas lágrimas de mágoa?
Será esse o motivo para me soltares?
Porque me deixaste abandonada,
Depois de tudo a que me condenaste?

Sim, sinto no peito um vazio
Sinto tão dolorosa a tua ausência
E vejo como estava incompleta
Antes de me capturares nesse feitiço

“ - Voa, Borboleta, voa livre!”
Mas para onde hei-de voar?
Sem ti não me interessa ser livre
Meu Caçador de Borboletas.