sexta-feira, 18 de março de 2011

Estrela distante e bela

Estrela distante e bela
 
Um fantasma vagueia só
Pela noite de azul veludo
O céu de branco salpicado
O seduz para o pecado

O iluminou uma estrela
Sem saber que ele existia
Lá, tão distante, tão bela
Ele a admira noite e dia

Os outros que o condenam
De sem coração o apelidam
Frio e ausente o chamam
Não sabem, porque não amam

“- Oh, estrela radiante!
Sim, eles têm razão.
Desde aquele dia brilhante
Deixei de ter coração.”

“O arrancaste do meu peito,
Me tornando numa sombra.
De mim resta apenas o espírito,
Alguém que por aqui te aclama.”

Uma lágrima escorrega clandestina
Sem que ele a tente limpar
Um fantasma apaixonado, iludido
Pela beleza de algo magnífico

“Estrela, distante no infinito
Aqui te aguardo, silencioso
Pelo minuto, pelo segundo
Que descerás a este mundo.”

“Imagino-te vestida de branco,
Num passo digno de deuses.
De mão estendida, a sorrir
Vindo me buscar para partir.”

Todas as noites o fantasma vagueia
Perdido à procura de sua amada
Da tão luminosa estrela
Porque ele será sempre dela.

1 comentário:

  1. Andy os teus poemas estão pura e simplesmente perfeitos ! Acho qe sabes a minha opinião em relação à tua escrita mas mais uma vez te digo , tenho inveja da tua imaginação ! Acredita qe sim ! Continua assim amiga :D
    Beijinho grande , letii <3

    ResponderEliminar