sábado, 12 de dezembro de 2009

Ser mais que um ser mal amado


Ser mais que um ser mal amado

Na solidão da alma
Nas trevas do pensamento
Vaguei-o monótona e calma
Fingindo ausência de sofrimento

Passo a passo, sem destino
Se sente nostálgico o espírito
Relembrando sonhador a felicidade
Procurando um sentido, uma verdade

Mas mais nada existe
Porque tu não estás aqui
Tudo isto é triste
Realidade, não vivo sem ti

Sempre longe de mim
Uma miragem, uma ilusão
Não tendo conhecimento de mais
Aguardo voltar a ouvir teu coração

Uma réstia de falaz esperança
De o fado em seu traçado
Me traga de novo tua presença
Ser mais que um ser mal amado.