terça-feira, 25 de novembro de 2008

Sabor do Pecado


Sabor Do Pecado

Duas lágrimas mudas
Dois gritos de ilusão
Na noite mais escura
Palpita o coração

Dois risos tímidos, envergonhados
Esvoaçam na solidão calma
Com o turbilhão de sentimentos
Se confunde a alma

O olhar mais terno
Oculta o sofrimento
Que lateja no espírito
Deste tão grande erro

Ilícito, engano, errado
Porque é tão duro amar?
Porquê tão ambíguo o provar
 Deste Sabor do Pecado