quarta-feira, 21 de maio de 2008

Sentir não querer


Sentir não querer

Nesta noite de tempestade
A Lua cai na escuridão
Caminhas de forma suave
E cada passo te trás solidão

Gotas de chuva e lágrimas
Turvam a tua negra visão
No calor do sofrimento chamas
Por verdade a ilusão

Sentes cada parte do teu ser
E procuras não sentir
Na realidade não queres ver
O sorriso que deixou de existir

Para a resposta que não achaste
Trazes na mão solução fatal
Acreditas que nesse antigo punhal
Encontrarás o que aclamaste

A dor que sentes deixar de sentir
Saúda-te agora outra dor
Teu sangue a chuva começa a tingir
E por fim perdes toda a tua cor

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Obrigado


Obrigado

Lágrima cristalina sibilante
Que o sussurro quer esconder
No escuro da noite andante
O sentimento fica por dizer

Conheces esta água
Sabes esta mágoa
E por teres coração
Pronto me dás a mão

Pois não é só nas alegrias
Que partilhamos um sorriso
Ainda dividimos o suplício
Nos fatais tristes dias

Pelas amigas que somos
Agradeço a tua amizade
E neste teu dia de anos
Desejo-te a maior felicidade